CPI da Previdência no Senado alega que sistema não é deficitário

Hoje foi publicado pelo site O Dia Online a informação “CPI da Previdência no Senado alega que sistema não é deficitário”.

Segundo veiculado no portal O Dia Online: “O Dia – Presidente do colegiado afirma que empresários provocam a dívida no caixa do INSS – Rio – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência do Senado concluiu um primeiro balanço sobre os dados que estão sendo levantados para análise. De acordo com o presidente da CPI, senador Paulo Paim (PT-RS), o sistema previdenciário do país não é deficitário, como alega o governo Temer para conseguir aprovar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287 no Congresso, que trata das alterações das regras de concessão de benefícios do INSS. Na avaliação de Paim, o problema está justamente na dívida de empresários com o caixa da Previdência.“Setores do patronato arrecadam, por ano, em torno de R$ 25 bilhões do bolso dos trabalhadores e não repassam à Previdência”, denunciou Paim, ontem, na última sessão do colegiado antes do recesso parlamentar, previsto para ocorrer de 18 a 31 de julho. O senador Paulo Paim (PT-RS) fez ontem um balanço dos trabalhos da CPI da Previdência na CasaFoto: Marcelo Camargo / ABRAinda conforme o senador gaúcho, ao fim dos trabalhos a comissão vai mostrar que o rombo tão alardeado pelo governo federal na Previdência está diretamente ligado a uma dívida acumulada de grandes bancos, empresas e grandes montadoras, que ultrapassaria a cifra de R$ 500 bilhões.O encerramento dos trabalhos da CPI está previsto para 8 de setembro. O relator da comissão, senador Hélio José (PMDB-DF), já adiantou que pedirá a prorrogação para preparar um relatório mais “completo e propositivo”. O documento, informou o senador, deverá propor medidas para mudar a Previdência Social, como um combate mais efetivo à inadimplência.“Não é possível convivermos com os grandes devedores não pagando a Previdência”, alertou.Desde 26 de abril, quando a CPI começou, até agora, foram feitas 22 reuniões, 18 audiências públicas com cerca de 90 pessoas entre especialistas do governo, sindicatos e sociedade civil. O texto-base da PEC 287 foi aprovado por uma comissão especial do Congresso em março. Mas ainda não tem data marcada para ser votada pelo plenário da Câmara dos Deputados.”

Continuaremos seguindo as notícias relacionadas e a cada novidade atualizaremos o site.