Artista mineira dá ‘vida’ a fotos de prisioneiros de Auschwitz através das cores | Minas Gerais

Aos 12 anos, Jósefa Glazowska ganhou o número 26.886 em Auschwitz, na Polônia, considerado o maior campo de concentração nazista. Lá, cortaram seu cabelo, a obrigaram a usar um uniforme listrado e a fotografaram. O preto e branco do retrato desapareceu pelas mãos da mineira Marina Amaral, que humanizou ainda mais o registro.

Retrato original de Jósefa Glazowska  — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalRetrato original de Jósefa Glazowska  — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Retrato original de Jósefa Glazowska — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

A artista é idealizadora do projeto Faces of Auschwitz que pretende dar cor a uma parte da história cinzenta do campo de concentração. “Eu tinha feito uma proposta ao Memorial de Auschwitz, que guarda as fotos dos prisioneiros, em 2016. Mas o pessoal ficou um pouco receoso. Só que quando eu postei a foto daquela menina de 14 anos na internet, eles viram que o trabalho era legal. Depois, até replicaram e aí consegui ter acesso ao material”, disse ela.

A menina a que Marina se refere é Czeslawa Kwoka, de 14 anos, prisioneira do campo de concentração, morta em 1943. O Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, liberou quase 40 mil fotos para Marina. Até agora ela já coloriu 25. Cada retrato demora quase duas horas para ficar pronto. O trabalho é feito no Photoshop.

“É preciso fazer uma pesquisa para tentar encontrar as cores mais parecidas com a realidade. No caso das fotos do campo de concentração há uma facilidade. O uniforme é padrão, né? Para saber a cor da pele, dos olhos, dos cabelos, há documentos que descrevem as características de cada prisioneiro. No certificado de óbito também é possível encontrar esses detalhes. A gente também buscar saber de que cor era o triângulo bordado no uniforme que identificava os prisioneiros”, disse Marina.

Além de judeus, o campo de concentração recebia ciganos, gays, deficientes físicos e mentais, além de prisioneiros políticos. Cada “perfil” era identificado com um triângulo diferente. Marina esteve em Auschwitz este ano para conhecer o trabalho do memorial e ainda gravar um documentário sobre os registros.

O estudante Seweryn Głuszecki morreu aos 16 anos em Auschwitz — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalO estudante Seweryn Głuszecki morreu aos 16 anos em Auschwitz — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

O estudante Seweryn Głuszecki morreu aos 16 anos em Auschwitz — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Seweryn Głuszecki tinha cabelos e olhos castanhos — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalSeweryn Głuszecki tinha cabelos e olhos castanhos — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Seweryn Głuszecki tinha cabelos e olhos castanhos — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

“A gente estuda, lê livros, vê filmes, mas não é nada comparado com o que a gente encontra e sente quando está lá. É horrível. É um incômodo físico mesmo. Ficamos quatro dias lá e pudemos ver a sala onde essas fotografias eram tiradas”, contou ela.

O documentário ainda não tem data de lançamento. Já o projeto Faces of Auschwitz já está na internet e vem aos poucos ganhando novas imagens.

O polonês August Kowalczyk era ator — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalO polonês August Kowalczyk era ator — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

O polonês August Kowalczyk era ator — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

O rosto de August Kowalczyk ganhou cores nas mãos de Marina Amaral — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalO rosto de August Kowalczyk ganhou cores nas mãos de Marina Amaral — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

O rosto de August Kowalczyk ganhou cores nas mãos de Marina Amaral — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Uma delas é de August Kowalczyk. Nascido em 1921, o polonês era ator. Trabalhava no teatro, na televisão e no cinema. Ele se alistou no Exército durante a 2ª Guerra Mundial, foi preso na Eslováquia e levado para Auschwitz. Ele foi um dos poucos a conseguir escapar do campo de concentração.

O mesmo não aconteceu com a holandesa Deliana Rademakers. Presa por ser testemunha de Jeová, ela foi deportada para o campo polonês e morreu um mês depois, em 1942.

“A foto, quando ela é colorida, acaba tocando mais as pessoas. E este trabalho é mostrar como esse período foi forte e terrível. E como essas pessoas sofreram”, disse Marina.

Deliana Rademakers foi mandada para Auschwitz por ser testemunha de Jeová — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalDeliana Rademakers foi mandada para Auschwitz por ser testemunha de Jeová — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Deliana Rademakers foi mandada para Auschwitz por ser testemunha de Jeová — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Deliana Rademakers ganhou cabelos castanhos depois da colorizações — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoalDeliana Rademakers ganhou cabelos castanhos depois da colorizações — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Deliana Rademakers ganhou cabelos castanhos depois da colorizações — Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal

Mais de um milhão de pessoas – que agora aparecem morenas, loiras, de olhos castanhos, azuis, com cicatrizes negras e feridas vermelhas – morreram no campo de concentração entre 1940 e 1945.

O projeto Faces of Auschwitz pode ser visitado aqui.

Fonte

قالب وردپرس