BB Glow: “base permanente” no rosto é risco para saúde?



Hoje, a alguns momentos foi ocorreu a veicução através do portal: Metropoles, da notícia “BB Glow: “base permanente” no rosto é risco para saúde?”

Conforme o que foi informado pelo portal Metropoles:

Um procedimento indolor, que promete uma pele digna de filtro do Instagram e não oferece grandes riscos à saúde. Assim é vendido o BB Glow, método de origem coreana que tem invadido centros estéticos brasileiros. Apesar de ser difundida nas redes sociais como a nova aposta da indústria da beleza e ter o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a técnica é condenada por especialistas, que a definem como invasiva e perigosa.

Realizado por esteticistas e biomédicos, o BB Glow consiste na aplicação de séruns e pigmentos no rosto por meio de sessões de microagulhamento. O foco é camuflar e tratar manchas de sol, melasma, rosácea e linhas de expressão, deixando a pele com efeito de porcelana por um período de quatro meses a um ano. O procedimento não tem resultados respaldados pela ciência e é comumente associado a uma “tatuagem facial”.

Oferecido no país desde o começo deste ano, o pigmento acaba de ser liberado pela Anvisa como cosmético grau 1 (isento de registro), mesma categoria de uma base convencional de maquiagem. À reportagem, a justificativa do enquadramento, que não exige comprovações de eficácia e tampouco controle técnico de qualidade, é de que o BB Glow “oferece baixo risco sanitário”.

A alegação é refutada. “A posição da Anvisa, neste caso, é questionável. O produto contém ativos perigosos à saúde a médio e longo prazo, tais como dióxido de titânio, comprovado cientificamente que reage mal à presença de raios ultravioletas, podendo causar câncer de pele; e hidróxido de alumínio, capaz de acelerar processos neurodegenerativos como Alzheimer e Mal de Parkinson”, analisa a presidente da Associação Nacional dos Esteticistas e Cosmetólogos (Anesco), Noêmia Martins de Carvalho da Cunha.

“Além disso, a agência reguladora, ao dar aval para a comercialização desse pigmento, parece não levar em consideração a sua aplicabilidade. Como a solução é injetada por microagulhamento, ela não pode ser retirada do rosto com um simples demaquilante, como uma maquiagem regular. Os pacientes insatisfeitos com o resultado têm que se submeter a laseres ou peelings para tentar reverter a situação”, acrescenta, afirmando que a associação não corrobora com a realização desse método por esteticistas.


“A Anesco sugere que a Anvisa abra uma investigação em carácter de urgência sobre o BB Glow, já que se trata de um processo de real interesse público e que expõe riscos à integridade física e à saúde da população”

Presidente da Associação Nacional dos Esteticistas e Cosmetólogos (Anesco), Noêmia Martins de Carvalho da Cunha

O Conselho Federal de Biomedicina (CFBM) também se posiciona contra o procedimento. Em nota ao Metrópoles, a entidade salientou que “não há evidência científica da eficácia do tratamento” e que “o biomédico flagrado pela fiscalização utilizando a técnica será denunciado e responderá eticamente por realização de atividade não reconhecida e regulamentada.”

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) definiu o método como invasivo e demonstrou descontentamento com a sua popularização. “O microagulhamento é um procedimento invasivo, que deve ser realizado somente por médicos. Outro risco é o contato direto dos pigmentos do BB Glow com a derme, que provoca um efeito de tatuagem e pode prejudicar a identificação de possíveis doenças de pele”, revela a coordenadora do Departamento de Lasers e Tecnologias da SBD, Taciana Dal’Forno Dini.

Fora problemas mais severos, a médica diz que a técnica pode causar complicações estéticas. “Os pigmentos podem mudar de cor com o passar do tempo, deixando um efeito indesejado e de difícil tratamento”, avalia. Ela ainda garante que os especialistas associados à SBD estão atentos na orientação e no atendimento de qualquer complicação do procedimento.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

👉🏻 Tratamento de BB GLOW 🧖🏼‍♀️ Uniformização da cor da pele, tratando melasma, mancha de acne, mancha de sol, e efeito maquiagem. 💆🏼‍♀️ Totalmente indolor, não é tinta, livre parabeno. ✅ Liberado pela Anvisa . —————————————————————— 📲Contato: (11)98807-0677 Link: na bio —————————————————————— O que você faria para acordar com uma pele maquiada? #bbglow te dá este efeito —————————————————————— #bbglowbrasil #beleza #saude #bbglow #melasma #acne #mancha #make #tratamento #pele #saopaulo #bbglowtratamet #bbglowtraining #bbglowonline #satyve #stayvekorea #dermawhite #dermawhitebbglow #microneedling #cursos #live #bemestar #formationbbglow #paulista

Uma publicação partilhada por 𝐂𝐚𝐫𝐨𝐥𝐢𝐧𝐧𝐲 𝐕𝐢𝐞𝐢𝐫𝐚 (@ca_biodermat) a

A Anvisa tem por finalidade promover a proteção da saúde da população, por intermédio do controle sanitário da produção e consumo de produtos e serviços. Centros de estética do país, que ofertavam o BB Glow antes mesmo do posicionamento favorável da autarquia, agora tem se amparado na validação dela para lucrar ainda mais em cima do procedimento, sem se atentar a composição do pigmento ou aos estudos científicos acerca dele.

Vale ressaltar que as polêmicas câmaras de bronzeamento, famosas no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, eram permitidas pela Anvisa, com ressalvas, até 2009. O motivo da proibição foi um estudo da Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer, ligada à Organização Mundial da Saúde, que comprovou que o bronzeamento artificial aumenta em até 75% o risco de desenvolvimento de melanoma, tipo mais grave de câncer de pele. Até serem banidas, as câmeras eram amplamente utilizadas no país.

Antes de embarcar nas novas promessas da beleza, portanto, a SDB indica que a população confirme se há liberação da agência e, também, procure um dermatologista de confiança, que esteja atento às novidades e pesquisas do setor.


Médio a longo prazo

Na capital federal, uma sessão de BB Glow pode chegar a R$ 650. Via de regra, a recomendação aos pacientes é de três a cinco intervenções. A estudante Heloísa Rabelo, de 21 anos, se submeteu ao procedimento recentemente. O objetivo era amenizar cicatrizes de acne. “Fiquei sabendo da técnica pelo Instagram e, após ser liberada de uma avaliação para verificar se tinha alguma alergia aos componentes do pigmento, decidi testá-lo. Finalizei o tratamento há cerca de um mês e estou satisfeita com os resultados”, relata a brasiliense. O método foi realizado na clínica BelaBia, na Asa Norte.

A dermatologista Daniela Neves alega que, de início, os resultados podem ser realmente satisfatórios. “Além dos riscos comuns a procedimentos que envolvem agulhas, como infecção por material mal esterilizado e contaminação por vírus, o BB Glow pode, em um primeiro momento, disfarçar imperfeições, mas há, sim, riscos a médio e longo prazo”, reitera a especialista.


E é aí que mora o problema. Uma proprietária de uma loja de alto padrão no Lago Sul, depois de se submeter ao procedimento e gostar dos resultados à primeira vista, fez uma parceria com a BelaBia e lançou, há duas semanas, uma promoção na web. Quem fizesse compras na boutique sob comando dela no dia do lançamento de determinada coleção ganhava 30% de desconto no BB Glow. Dessa forma, o método tentador, vendido como inofensivo, é disseminado.

Para quem já leu sobre o procedimento na internet e se sentiu seduzido pelos resultados prometidos, Daniela indica que há alternativas seguras com efeitos similares. “Felizmente, temos diversos tratamentos com tecnologias (como os lasers) já consagrados em todo o mundo e com comprovação cientifica. Visite o consultório de um dermatologista e descubra o mais adequado para você”, sugere.

Sem pré-requisito

De acordo com Noêmia Martins de Carvalho da Cunha, não são apenas as sessões do procedimento que têm se alastrado pelo país. “Cursos de BB Glow também. Eles não costumam ter pré-requisitos e, às vezes, são lecionados em casas residenciais, sem padrões de esterilização e controle de higiene. Em 10 anos de profissão, nunca vi um caso tão alarmante quanto esse”, expõe.

No Distrito Federal, existem alguns estabelecimentos que ensinam a metodologia. No Studio Amanda Küster, por exemplo, o curso – com duração de um dia – custa R$ 2.3oo mais taxas, com kit de pigmentos incluído. “Por se tratar de um procedimento muito novo no mercado brasileiro, há muita discussão entre profissionais sobre a segurança da aplicação. Eu, como profissional habilitada para realizar o método, confio na segurança e performance do tratamento”, posiciona-se Amanda, com orgulho de ter ensinado a técnica a 20 pessoas. 

O post BB Glow: “base permanente” no rosto é risco para saúde? apareceu primeiro em Metrópoles.

Vamos continuar a seguir as notícias e postando vídeos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *