Bolsonaro negocia caro com Senado para aprovar filho na embaixada dos EUA



poucos momentos atrás aconteceu a divulgação através do site: HuffPost, do artigo “Bolsonaro negocia caro com Senado para aprovar filho na embaixada dos EUA”

Conforme o que foi publicado através do link HuffPost: Custará caro ao presidente a aprovação de Eduardo Bolsonaro à embaixada nos EUA.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tem andado com duas planilhas embaixo dos braços nas últimas semanas. Em uma, contabiliza os senadores que prometem votar a favor da indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada dos Estados Unidos. Na outra, seleciona cargos em aberto ou por vagar para distribuir a aliados, numa “troca de favores”. Na mira, órgãos do governo federal cujo orçamento de 2019 soma quase R$ 2,5 bilhões. Até a votação do nome de Eduardo no plenário, ainda sem data prevista (a mensagem presidencial oficializando o nome nem sequer chegou ao Senado), esse número pode aumentar.

Assim é o “jogo político”. Aquele tão rejeitado pelo presidente Jair Bolsonaro e agora colocado em prática, em sua plenitude, para o que se tornou a maior prioridade do presidente neste momento — ver o filho 03 no maior cargo da diplomacia brasileira. Mas Jair não quer apenas passar o nome, mas também avalizar com uma maioria “robusta”, para “mostrar sua força”. De acordo com pessoas próximas do chefe do Executivo, isso passou à frente até da vontade de aprovar a Previdência no Senado.

Mas pode sair bem caro ao presidente romper as resistências que a situação “peculiar” e “inédita” criou — um presidente indicando o filho ao cargo, rompendo com uma tradição que se consolidou no Itamaraty de colocar na embaixada do Brasil em Washington diplomatas de carreira, o que não é o caso de Eduardo. Em negociação estão, especialmente, agências reguladoras e cargos de destaque em superintendências e órgãos da União nos estados. Acordos a respeito vêm sendo costurados em conversas pelos corredores, gabinetes, ao pé do ouvido, em reuniões de fachada ou secretas.

Essas informações são fruto de apuração do HuffPost com fontes do Senado, Palácio do Planalto e também Câmara ao longo das últimas semanas.

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) tem sido aliado de Bolsonaro na missão de fazer Eduardo embaixador.

Jogadores de Eduardo Bolsonaro

Inicialmente resistente a entrar na “jogada”, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), aceitou fazer parte do tabuleiro. Mas só após muita insistência do Palácio do Planalto e a promessa de que lhe sobrariam cargos-chave em alguns locais importantes.

O primeiro deles, para o qual já começou inclusive a sondar pessoas, é o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Também passarão por Alcolumbre vagas em diretorias da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Lá, por exemplo, um dos atuais diretores que está com a cabeça a prêmio é Ricardo Fenelon Júnior, genro do ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE), antecessor de Davi Alcolumbre na presidência do Senado.

Fala-se ainda em deixar que o senador coloque conhecidos na Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e na ANA (Agência Nacional de Águas).

Os orçamentos de todos os órgãos que têm entrado nas negociações com o presidente do Senado somam cerca de R$ 1,8 bilhão (veja abaixo o orçamento detalhado de cada um deles).

Porém, embora o Planalto tenha conseguido um aliado de peso na tentativa de convencimento dos senadores em prol de Eduardo embaixador, para que isso se concretize, é necessário reunir votos. E nisso o deputado federal tem desvantagem.

Desde a última semana, antes mesmo que os Estados Unidos confirmassem a autorização a seu nome por meio do agrément, Eduardo começou um “corpo a corpo” com os senadores mais próximos. Seu irmão, senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), também pede em seu favor pela Casa, bem como Onyx e outros integrantes do PSL. Os Bolsonaro contam também com a ajuda do presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE), Nelsinho Trad (PSD-MS).

Mesmo com todas essas forças reunidas, a avaliação é que, se a votação fosse hoje, a maioria do Senado seria contrária à indicação do filho do presidente para a vaga — uma proporção de 60% a 40%.

Todo mundo vai ganhar uma boquinhaSenador de centro-direita ouvido pelo HuffPost

Barganha geral

Desde o retorno do semestre legislativo, no início de agosto, Davi Alcolumbre tem feito o que chama de “gabinete itinerante”, por meio do qual vai a cada senador com a justificativa de ouvir demandas individuais. Porém, usa esse espaço numa tentativa de convencê-los a votar em prol de Eduardo.

Leva “bons argumentos”. O principal deles, o voto secreto. Cabe ao plenário do Senado a palavra final em indicação de autoridades, após sabatina em colegiado apropriado – no caso de embaixador, na CRE. Senadores da oposição dizem que vão exigir votação aberta. A confidencialidade, porém, é regimental.

Alcolumbre também se vale da reforma da Previdência como um trunfo. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) teve um calendário especial anunciado, passará por avaliação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), mas já está em processo adiantado de acordo e tende a ser votada, no mais tardar, até outubro.

Por isso, o presidente da Casa diz a seus pares que o Brasil tem dado demonstrações de avanços no campo econômico e “não pode passar ao mundo uma imagem de que há instabilidade na política”, o que ficaria escancarado com a rejeição ao nome de Eduardo. Esses pretextos foram relatados ao HuffPost por dois senadores procurados na quarta-feira (14) por Alcolumbre.

A alguns outros, mais próximos, porém, o parlamentar usa um idioma mais persuasivo: as boas e velhas indicações a cargos. A reportagem encontrou três senadores de centro-direita nesta quinta-feira (15) que, sob condição de não terem revelados seus nomes, contaram ter “ouvido sobre o assunto”. Um mais incisivo chegou a afirmar que “todo mundo vai ganhar uma boquinha”.

Possível relator da indicação de Eduardo, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), ressaltou que “o Davi [Alcolumbre] está ajudando bastante”, sem detalhes, contudo. O parlamentar emprega um primo de Eduardo, conhecido como Leo Índio, em um cargo comissionado por mais de R$ 22 mil.

Procurado pelo HuffPost por meio da assessoria de imprensa, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, não retornou. Publicamente, ele tem negado tratar o caso da indicação do filho do presidente com qualquer privilégio.

Donald Trump chegou a saudar a indicação de Eduardo como embaixador.

Outras peças do tabuleiro

Mais do que os apoios que Alcolumbre tem conseguido reunir, o núcleo bolsonarista sabe que, para cumprir a missão dada pelo presidente, vai precisar de mais. E ampliar a margem de votos, na prática, significa fazer acordos com alguns partidos considerados chave na Casa, como MDB, PP e PSDB. Bolsonaro já teria conseguido seis votos para Eduardo com os cargos prometidos a esses partidos.

É dado como certo que há disposição de oferecer a integrantes dessas siglas vagas em outras autarquias de menor visibilidade, mas com significativa verba à disposição. São os casos de Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste), Sudeco (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste), Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. São ao menos R$ 672 milhões em jogo.

O senador Paulo Paim (PT-RS) não acredita que o nome de Eduardo seja aprovado “apesar da barganha que tem sido feita”. “Todo mundo sabe que, infelizmente, está mais viva do que nunca a política do dando que se recebe”, disse.

Já o senador Marcos Rogério (DEM-RO) considera normal destinar espaço a aliados nos espaço do governo. “Melhor pegar alguém indicado por um aliado do que alguém que você não conhece — naqueles cargos de confiança. Desde que ela preencha os requisitos técnicos, morais, não vejo com maus olhos”, avaliou. Ele, porém, diz desconhecer qualquer acordo nesse sentido e discordar quando isso é “fruto de uma barganha”.

Formalização de mensagem ao Senado, com nome de Eduardo para embaixador, depende de governo conseguir votos necessários na Casa.

O que vem pela frente

Segundo informações de pessoas próximas a Eduardo e também a Jair Bolsonaro, a decisão está tomada: a vaga de Washington é do deputado federal. A mensagem presidencial que formalizará a escolha só não foi encaminhada ao Senado ainda porque eles estão à espera do “melhor momento”, ou seja, quando os votos necessários tiverem sido reunidos.

Para oficializar a escolha, o presidente deve enviar uma mensagem ao Senado, no formato de um documento, que será publicado no Diário Oficial da União (DOU). Ele será lido no plenário e, assim, formaliza-se a indicação, que segue para a CRE. Lá, o relator elabora um parecer. Independentemente do resultado da votação no colegiado, esse parecer segue para apreciação no plenário e é esse resultado final que vale de fato.

Entre os senadores, o clima ainda é de constrangimento em votar “a indicação do filho do presidente”. Alguns se sentem pressionados por esse simples fato. Outros alegam que é uma oportunidade de o Congresso “dar um recado”.

Há ainda quem permaneça em cima do muro e diga que só se decidirá no calor do momento — após ouvirem o que Eduardo Bolsonaro dirá na sabatina à qual será submetido na CRE.

Com cargos ou não, votos ou não, ninguém tem dúvidas de que a inédita circunstância — o filho do presidente como possível embaixador — já entrou para a História antes mesmo de o caso chegar ao fim.

O preço das promessas do presidente

O orçamento da União para 2019 é de R$ 3.382.224.021.819,00 (três trilhões, trezentos e oitenta e dois bilhões, duzentos e vinte e quatro milhões, vinte e um mil, oitocentos e dezenove reais).

Orçamento dos órgãos negociados com Davi Alcolumbre:

Cade – R$ 55.042. 730

Anac – R$ 720.732.933

Anatel – R$ 593.652.324

ANA – R$409.490.606

TOTAL = R$ 1.778.918.593

Também estão em jogo, pelo menos:

Sudeco – R$ 199.172.922

Sudam – R$187.209.010

Sudene – R$ 76.767.813

Banco do Nordeste – R$ 144.379.728

Banco da Amazônia – R$ 64.740.828

Total negociado pela aprovação de Eduardo até o momento: R$ 2.451.188.894

Vamos continuar a seguir as novidades e publicando vídeos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *