Brasil ganha prêmio ‘Fóssil do Dia’ na Polônia por declarações de Bolsonaro | Blog da Amélia Gonzalez

Caros leitores, este blog tem o desprazer de anunciar que o Brasil recebeu, na Conferência do Clima que está acontecendo na Polônia, o prêmio Fóssil do Dia. Trata-se de uma premiação irônica que acontece em todas as COPs, não oficial, organizada pela Climate Network, que reúne mais de mil ONGs ambientalistas por todo o mundo. E o motivo da premiação foi o fato de o presidente eleito Jair Bolsonaro ter declinado de sediar aqui a próxima reunião para debater mundialmente sobre o clima, que vai acontecer no ano que vem.

Mas, não só isto: os premiadores também levaram em conta as declarações do próximo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Em sua rede social, Araújo menospreza os estudos científicos que comprovam o aquecimento global, dando a ele uma esdrúxula significação: “marxismo cultural globalista” — que até hoje ficamos assim, sem entender muito o que é.

Não foi a primeira vez que o Brasil ganhou este prêmio, é verdade. No ano passado, durante a Conferência que foi realizada na Alemanha, em Bonn, uma medida provisória que propõe reduzir os impostos da exploração e produção de pretróleo e gás também pôs o país na berlinda desta forma nada lisonjeira. Mas, este ano, a curiosidade é que o prêmio foi concedido por causa de declarações de um presidente que ainda nem está ocupando o cargo. Isto é raro.

De Katowice, onde está acompanhando as negociações, o coordenador de políticas públicas do Greenpeace, Márcio Astrini, comentou sobre a premiação:

“É um prêmio diferente. Nunca antes na história das COPs um presidente recebeu o prêmio antes mesmo de assumir como chefe de Estado. A exceção tem uma justificativa. Em pleno século XXI, quando mais de 190 países rumam para salvar o mundo das mudanças climáticas, baseados em centenas de cientistas e milhares de estudos, o futuro presidente do Brasil resolveu dar as costas para os esforços globais, ameaça sair do Acordo de Paris e tomar medidas que farão explodir o desmatamento e a ilegalidade na Amazônia. Para completar, ainda anunciou que não vai hospedar mais a COP 25. O aquecimento global, que atinge, principalmente, a população pobre, já causou secas e chuvas extremas, prejuízos enormes à agricultura e à infraestrutura no Brasil e em todo planeta. Portanto, o prêmio é pelo conjunto da obra prometida por Bolsonaro, que ainda nem assumiu, mas já é considerado em todo o mundo como um inimigo do clima e do meio ambiente”, disse Astrini.

Na justificativa para a premiação, os ambientalistas da Climate Network se perguntam: “O que aconteceu com você, o Brasil? O local de nascimento da convenção climática da ONU, uma vez celebrada por seus avanços espetaculares na redução do desmatamento e mitigação do aquecimento global, tornou-se motivo de chacota dos negociadores em Katowice”, diz o texto.

É difícil estarmos, nós brasileiros que nos preocupamos com os avanços dos impactos causados pela falta de atenção e cuidado com o ambiente que nos cerca, no centro das atenções deste jeito. Gera um sentimento de derrota que não desgruda. Mas, assim como depois do 7 a 1, é também um convite para reflexões, mais do que necessárias, sobre o momento atual.

Os ambientalistas que nos ofereceram o prêmio dizem, com razão, que os planos do presidente eleito para a floresta amazônica, até agora explicitados, não são motivo de riso ou de ironia. A coisa é séria.

“Ele prometeu acabar com o controle do desmatamento, abrir terras indígenas para grandes negócios, matar o licenciamento ambiental e até mesmo fechar o Ministério do Meio Ambiente. Os criminosos ambientais estão ouvindo atentamente: entre agosto e novembro, as taxas de desmatamento subiram 32%, e um estudo recente estima que pode chegar a 25 mil quilômetros quadrados por ano, com emissões resultantes de três bilhões de toneladas de dióxido de carbono. Isso é tchau a 1,5 graus”, dizem eles na explicação do prêmio.

Se serve de consolo, o Brasil não foi o único a receber a premiação Fóssil do Dia na Polônia. Dividimos os holofotes dos corredores do Centro de Convenções onde está acontecendo a Conferência com a Arábia Saudita, país velho conhecido por causar bastante problemas durante os debates. Funciona assim: o texto final da Conferência vai recebendo, durante todo o período das negociações, que dura 14 dias, sugestões de acréscimos ou de retiradas de algumas expressões que possam agradar mais ou desagradar mais a uns e outros países. Como se vê, não é nada fácil costurar um texto desses. A Arábia Saudita, neste ano, decidiu implicar com a expressão “mecanismo de ambição” para chegar ao 1,5ºC no fim do século.

“Tanto os cientistas do IPCC e todo o Acordo de Paris deixam claro que precisamos de muito mais ambição climática para que possamos cumprir os objetivos de longo prazo do acordo”, dizem os ambientalistas da Climate Network no texto que explica a premiação.

É preciso ambição, sim. Mas a ambição pode acabar justificando atitudes severas a favor do desenvolvimentismo. E, certamente, muita gente vai acabar defendendo o presidente eleito justamente porque ele leva a acreditar que o melhor caminho para o Brasil alcançar o progresso é acabando com a “farra” das pessoas que querem preservar o meio ambiente. Um imbróglio eterno que vai marcar nossa civilização.

Amélia Gonzalez  — Foto: Arte/G1Amélia Gonzalez  — Foto: Arte/G1

Amélia Gonzalez — Foto: Arte/G1

Fonte

قالب وردپرس