China defende condena invasão de Parlamento de Hong Kong e apoia investigação



poucos instantes aconteceu a veicução no site: G1, do artigo “China defende condena invasão de Parlamento de Hong Kong e apoia investigação”

Conforme o que foi divulgado pelo portal G1:
Na segunda, manifestantes fizeram protestos por ocasião da celebração oficial do 22º aniversário do retorno do território ao domínio chinês. Manifestante tenta estourar porta de vidro do Parlamento de Hong Kong
REUTERS/Tyrone Siu
O governo central chinês condenou com veemência a invasão do Parlamento de Hong Kong, ocorrida na segunda-feira (2), e apoia a investigação penal determinada pelas autoridades da ex-colônia britânica contra “os autores da violência”.
“Os atos graves e ilegais atropelam o estado de Direito em Hong Kong, minam a ordem social em Hong Kong e prejudicam os interesses fundamentais de Hong Kong”, afirmou o porta-voz do Gabinete de Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado da República Popular China, principal organismo do Poder Executivo.
“Expressamos nossa condenação veemente”, completou em um comunicado publicado no site da instituição.
Invasão
Manifestantes em Hong Kong invadiram prédio do Parlamento nesta segunda-feira (1º).
Tyrone Siu/Reuters
Na segunda, manifestantes fizeram uma passeata contra a chefe executiva, Carrie Lam, após a celebração oficial do 22º aniversário do retorno do território ao domínio chinês. Eles bloquearam as três principais avenidas de Hong Kong com grades de metal e cercaram o Conselho Legislativo (LegCo).
A polícia usou bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta para conter a os manifestantes, que usavam guarda-chuvas e máscaras para se proteger. Em uma segunda tentativa, eles conseguiram invadir o imóvel.
Os manifestantes exibiram a bandeira do período colonial britânico, arrancaram fotografias dos dirigentes de Hong Kong e provocaram destruição.
Entenda os motivos que levaram aos protestos em Hong Kong
Antes da invasão, Lam disse que seu governo tem “muito a melhorar” e que “ouviria pacientemente” os jovens manifestantes. Porém, após a invasão do Parlamento, o governo emitiu um comunicado exigindo que eles deixassem imediatamente o imóvel. A polícia os expulsou do prédio pouco depois da meia-noite.
A região enfrenta nas últimas três semanas uma onda de protestos contra a crescente influência do governo chinês sobre a região, que enfrenta uma onda de manifestações desde que a administração local lançou um projeto de lei que autoriza a extradição de moradores de Hong Kong à China continental.
Manifestantes participam da manifestação anual pró-democracia em Hong Kong nesta segunda-feira (1º), no 22º aniversário da transferência do território britânico para a China
Dale De La Rey / AFP
Aniversário da transferência para a China
Em 1997, a soberania do território foi transferida do Reino Unido à China. Desde então, o território é administrado sob um acordo conhecido como “um país, dois sistemas”, o que permite que seus habitantes desfrutem de direitos raramente vistos na China continental.
Muitas pessoas, no entanto, sentem que lentamente Pequim vai deixando o acordo de lado. Por isso, a cada aniversário da transferência da soberania a Pequim, os ativistas locais organizam grandes manifestações para exigir direitos democráticos, incluindo a possibilidade de escolher o Executivo local por sufrágio universal.
Em anos recentes, os ativistas conseguiram mobilizar grandes multidões, incluindo uma ocupação de dois meses em 2014 no distrito financeiro da cidade, mas não conseguiram qualquer concessão importante por parte de Pequim.
Em relação à proposta de extradição para a China continental, embora o governo de Hong Kong tenha abandonado a análise do polêmico texto, as manifestações prosseguiram. Recentemente, uma multidão tentou bloquear o quartel-general da polícia de Hong Kong em duas ocasiões.
Manifestantes reagem às bombas de gás da polícia em Hong Kong
Tyrone Siu/Reuters
Entenda a polêmica:
Ao contrário de outras regiões da China, Hong Kong, que até 1997 estava cedida ao Reino Unido, funciona sob o princípio de “um país, dois sistemas”, com seu próprio sistema de leis e fronteiras e maior liberdade de expressão;
Por isso, a região virou o destino de muitos migrantes e dissidentes que deixaram a China continental para fugir da pobreza ou da perseguição política;
O projeto de lei apresentado em fevereiro, porém, abria brecha para que pessoas acusadas de crimes em Hong Kong pudessem ser extraditadas para o continente, medida que foi vista com preocupação por diversos grupos, que viam nela uma potencial ameaça para as liberdades dos moradores da ilha.

Vamos continuar seguindo as novidades e publicando notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *