Corinthians sofre, mas se classifica. Carille quase coloca tudo a perder



A algum tempo foi ocorreu a divulgação através do site: R7, do artigo “Corinthians sofre, mas se classifica. Carille quase coloca tudo a perder”

De acordo com o divulgado pelo site R7:

Gol de Pedrinho. Depois, o recuo absurdo do Corinthians e o sufoco

Gol de Pedrinho. Depois, o recuo absurdo do Corinthians e o sufoco
Maga Jr/Estadão Conteúdo – 29.8.2019

São Paulo, Brasil

Foi um sufoco.

Por conta de Fábio Carille, o Corinthians recuou de maneira precoce, abdicou do jogo, e trouxe o limitado Fluminense para sua área.

Seu time vencia por 1 a 0, gol de Pedrinho, aos nove minutos do segundo tempo. Foi quando o treinador tratou de recuar as linhas de marcação, fazer substituições para manter o resultado.

Chegou a ter quatro volantes.

Foi uma injeção de ânimo para a equipe de Oswaldo de Oliveira. Que, empurrada por apaixonados 57 mil torcedores, que lotaram o Maracanã, partiu de qualquer maneira para o ataque.

E conseguiu empatar em uma cabeçada de Pablo Dyego, aos 37 minutos. A posição era duvidosa. O VAR levou tempo demais para decidir.

Houve nove minutos de acréscimo.

Foi um sofrimento para o Corinthians, com a bola não saindo de sua grande área. 

Mas no final, o empate.

E a classificação para a semifinal da Copa Sul-Americana. A primeira partida das quartas, no Itaquerão, havia acabado empatada em 0 a 0. O gol fora de casa classificou o Corinthians.

O adversário será o Independiente del Valle, do Equador. O primeiro jogo será em São Paulo. E o decisivo, em Quito. 

Carille não conseguiu se segurar. Ele foi cobrado na coletiva por sua estratégia que fez o Corinthians sofrer além do normal diante de uma equipe mais fraca.

“É normal que o time que está se defendendo vá para trás. Um jogo corrido, jogadores da frente cansados. Fluminense tem jogadores de qualidade, Nenê, Ganso… jogando fora de casa. Se é em casa, a gente vai pra cima também, é normal no futebol.

“16 finalizações contra 10, na casa do adversário. Objetivo alcançado, muito feliz pelo dia de hoje.

“(Perguntado se estaria irritado, o que era transparente.) Adrenalina do jogo, estou tranquilo.” 

O que não era verdade.

A tensão estava estampado no seu rosto.

Nem parecia que o Corinthians estava na semifinal da Copa Sul-Americana.

Carille é inteligente, preparado, sabe que errou, se precipitou.

Ele foi o culpado pela dramaticidade do jogo. 

Carille errou feio. Recuou o Corinthians demais, sem necessidade. Sofreu à toa

Carille errou feio. Recuou o Corinthians demais, sem necessidade. Sofreu à toa
Reprodução Twitter

Na estreia de Oswaldo de Oliveira, os torcedores do Fluminense atenderam a convocação da diretoria, dos jogadores. Cederam à tentação dos ingressos baratos. De R$ 10,00, R$ 20,00 até R$ 155,00.

E o time carioca começou pressionando, empurrado pelos mais de 57 mil torcedores no Maracanã.

Nenê obrigou Cássio à grande defesa, aos dez minutos.

Mas, aos poucos, com a bola no chão, o Corinthians se mostrou superior. A diferença estava no lado técnico dos seus jogadores. 

Carille havia distribuído bem a equipe, no versátil 4-3-3. 

O Fluminense atuava como uma equipe de pebolim, no 4-4-2, sem mobilidade. Bem diferente do que era com Fernando Diniz.

Mas seu jogador-chave, Paulo Henrique Ganso, mostrava sua tradicional irritante lentidão no meio de campo.

Pedrinho, Vagner Love e Clayson usavam da velocidade a arma contra a defesa do Fluminense, que jogava em linha.

Gabriel, Júnior Urso e Matheus Vidal conseguiam dominar as intermediárias.

Allan, Daniel, Ganso e Nenê foram contidos sem grande dificuldade.

Muriel fez ótimas defesas e garantiu o 0 a 0 no primeiro tempo.

Mas no segundo, logo aos nove minutos, Clayson chutou precipitado em Igor Julião, a bola sobrou para Pedrinho, livre, empurrar para as redes.

1 a 0, Corinthians.

O Fluminense ganhou confiança com o Corinthians recuando

O Fluminense ganhou confiança com o Corinthians recuando
Reprodução Twitter

O gol teve uma reação negativa no time paulista.

Carille resolveu trazer seu time para a defesa.

Ofereceu a intermediária ao Fluminense.

O convidou para usufruir de sua área.

E o time carioca passou a ter o domínio absoluto do jogo. 

Tivesse jogadores mais qualificados e um treinador mais corajoso, menos ortodoxo, o Fluminense venceria a partida.

Mas apenas apelou para as bolas cruzadas para a área.

O que já causou um grande sufoco ao Corinthians.

Faltaram as triangulações pelos lados, buscar a linha de fundo. Agredir com consciência, troca de passes, o Corinthians.

O gol de empate veio em uma forte cabeçada de Pablo Dyego, com Nenê levantado a bola na área, na cobrança de falta lateral.

O gol aos 37 minutos provocou um reboliço no jogo.

O Fluminense foi para tudo ou nada.

O Corinthians já não tinha atletas ofensivos.

Gabriel, Júnior Urso, Matheus Jesus e Ramiro, quatro volantes, já estavam em campo, na demonstração da covardia tática corintiana.

Pablo Dyego empatou o jogo. O Fluminense teve tudo para virar o placar

Pablo Dyego empatou o jogo. O Fluminense teve tudo para virar o placar
Reprodução Twitter

Foi um sufoco desnecessário.

O Corinthians sobreviveu.

Mas Cariller sabe que errou.

Assim como os dirigentes.

Principalmente Andrés Sanchez.

O técnico corintiano está muito mal cotado no Parque São Jorge.

Mesmo classificado para a semi da Copa Sul-Americana.

Carille sabe disso.

Pior isso sua irritação…

Vamos continuar seguindo as novidades e publicando notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *