Guerra comercial, desaceleração do mundo e recuo da Selic: entenda o que explica a alta do dólar



Hoje, a alguns instantes atrás veiculado através do link do: G1, da notícia “Guerra comercial, desaceleração do mundo e recuo da Selic: entenda o que explica a alta do dólar”

Conforme o que foi divulgado através do link G1:
Movimento de valorização do dólar é global e afeta, sobretudo, as moedas de países emergentes. Ao longo do ano, moeda norte-americana deixou a faixa R$ 3,80 e se aproximou dos R$ 4,20
pasja1000/Creative Commons
A cotação do dólar subiu de patamar desde o início do ano. A moeda norte-americana deixou a faixa R$ 3,80 e se aproximou dos R$ 4,20 – nesta quinta-feira (29), fechou a R$ 4,1704, no maior nível desde setembro do ano passado, quando o país lidava com as incertezas da eleição presidencial e quando o dólar bateu seu recorde histórico frente ao real.
A valorização do dólar não se dá apenas em relação ao real: o movimento é global. Até terça-feira (27), o real era apenas a 15ª moeda que mais perdeu valor em relação ao dólar neste ano, mostra um levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating.
“A perda de valor da moeda brasileira frente ao dólar não é um fato isolado. Esse movimento de fortalecimento do dólar é praticamente global”, afirma o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini. O bolívar, da Venezuela, é a moeda que mais perdeu valor. Na sequência, estão o peso argentino e o dólar da Libéria.
Há uma série de fatores globais que explicam o fortalecimento do dólar ao redor do mundo:
A incerteza provocada pela guerra comercial entre Estados Unidos e China;
Os sinais de que a economia internacional está desacelerando.
Mas há questões locais que também ajudam a turvar o cenário:
A queda da Selic diminuiu o diferencial de juros da economia brasileira para as demais. O que indica que o ganho com juros deixou de ser tão atrativo para o nível de risco do país;
Os investidores ainda enxergam alguma incerteza na agenda de reformas econômica do governo.
Essa combinação de questões locais e internacionais reforça um quadro de incerteza, o que faz com o que os investidores procurem ativos financeiros considerados seguros – como ouro e dólar. É por isso que eles se desfazem da moeda brasileira e de outras divisas de emergentes.
“O grande problema é a guerra comercial cada vez mais acirrada e sem perspectiva de uma resolução no curto prazo”, afirma o sócio e chefe da mesa de câmbio da Frente Corretora, Fabrizio Velloni.
A falta de previsibilidade gerada pelo conflito atrapalha todo o fluxo de comércio global e afeta os preços das commodities. Além disso, a consequente desvalorização da moeda chinesa, que atingiu recentemente a menor cotação em relação ao dólar desde 2008, pressiona o câmbio de outros países.
“Os mercados emergentes acabam tendo que ajustar valores [para competir] porque o maior exportador passou a desvalorizar a moeda”, explica Carlos Menezes, sócio da gestora Gauss Capital.
Os sinais de desaceleração da economia global também deixam os investidores avessos ao risco. O salto mais recente do dólar começou no dia 31 de julho, quando os Estados Unidos cortaram sua taxa de juros pela primeira vez desde 2008, indicando que a atividade do país começa a precisar de estímulos.
Essa fraqueza global é intensificada pela guerra comercial, mas tem origens mais profundas.
“Os países desenvolvidos têm tido dificuldade de voltar a ter ciclos de crescimento. A baixa renovação da população economicamente ativa [causada pelo envelhecimento] e mudanças nos fatores produtivos, principalmente ligadas à internet, fazem com que o crescimento esperado dos países seja constantemente revisado para baixo”, diz Menezes.
Problemas internos
À parte dos fatores externos, a demora da economia brasileira para engrenar em uma trajetória firme de crescimento também contribui para a desvalorização do real.
“Existe pouca demanda pela moeda de um país que não cresce. Será muito difícil o Brasil ter uma performance melhor do que a de outros países emergentes enquanto não mostrarmos que a agenda de reformas está impactando a atividade econômica”, pontua Menezes, da Gauss Capital.
A corrida por dólares, que faz a moeda subir, também tem relação com a queda dos juros básicos no país, segundo ele. A Selic está em 6%, o patamar mais baixo da história e a expectativa dos economistas ouvidos no boletim Focus, do Banco Central, é de que a taxa encerre o ano em 5%.
Com isso, a diferença de custo para tomar empréstimos no Brasil em relação a outros mercados caiu, o que levou empresas a um movimento de troca de dívida, aumentando a procura por dólar e pressionando o câmbio.
“Antes os mercados desenvolvidos tinham uma taxa de juros muito mais baixa que o Brasil, agora o custo do ‘spread’ caiu. Muitas empresas emitiram dívida local para pré-pagar a dívida estrangeira e para fazer isso elas têm que comprar dólar. Elas pegam dinheiro aqui, compram dólar e pré-pagam a dívida. A vantagem é que elas não ficam expostas ao risco cambial”, diz Menezes.
Intervenção do BC
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, chegou a afirmar que a recente desvalorização da taxa de câmbio está dentro do padrão normal, sinalizando que a autoridade monetária não iria reforçar sua atuação no câmbio. Mas, depois disso, a moeda chegou a encostar em R$ 4,20 na terça-feira e o BC teve de realizar um leilão adicional de dólares à vista, com taxa de corte de R$ 4,1250.
A última operação do tipo tinha sido feita em fevereiro de 2009, quando a economia global ainda enfrentava os efeitos da crise financeira internacional. Na prática, o BC usou as reservas internacionais do país para conter a variação do câmbio.
“O BC atua no mercado na hora em que o investidor parece desesperado até ele volte para uma racionalidade”, afirma Velloni.
Com a expectativa de que a racionalidade retorne aos mercados, Velloni avalia que a dólar pode ceder em relação ao real.
O economista Antonio Madeira, da consultoria LCA, acredita que a percepção de risco pode ser reduzida a partir de setembro, quando bancos centrais devem baixar juros, aumentando a liquidez no mercado global. “Tudo está condicionado à melhora do ambiente externo”, diz.
Atualmente, os analistas consultados pelo relatório Focus avaliam que o dólar deve encerrar o ano cotado a R$ 3,80.

Vamos continuar seguindo as notícias e postando notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *