Pesquisadores defendem abordagem personalizada para o envelhecimento



alguns momentos divulgado no link do: G1, do artigo “Pesquisadores defendem abordagem personalizada para o envelhecimento”

Conforme o que foi divulgado pelo site G1:
Estudiosos da Universidade do Arizona sugerem levar em conta todas as variáveis que impactaram a trajetória do paciente Um time de pesquisadores da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, defende que é inviável pensar num modelo padronizado (o chamado “one-size-fits-all”) quando se trata do processo de envelhecimento do cérebro. De acordo com a professora Lee Ryan, chefe do departamento de psicologia da instituição, já está mais do que na hora de a abordagem dos idosos com declínio cognitivo levar em conta todas as variáveis que impactaram a trajetória do indivíduo e também a sua capacidade de absorver e lidar com os problemas.
“As pessoas estão vivendo mais, mas nem sempre a saúde do cérebro acompanha a longevidade. Há fatores de risco individuais que contribuem para o declínio cognitivo, como o estresse crônico ou a doença coronariana. No entanto, esses fatores afetam as pessoas de forma diversa, dependendo de outras variáveis, como genética e estilo de vida. O envelhecimento é incrivelmente complexo e cada pesquisa tende a focar num só aspecto, quando é preciso analisar todo o conjunto para traçar um cenário. Há muitas formas de envelhecer”, explica.
Lee Ryan, chefe do departamento de psicologia da Universidade do Arizona
Divulgação / University of Arizona
Embora a maior parte dos idosos – cerca de 85% – não desenvolva a Doença de Alzheimer, algum tipo de perda cognitiva faz parte do envelhecimento. Por isso, num estudo publicado no “Frontiers in Aging Neuroscience”, Lee e seus colegas propõem um modelo de avaliação que sirva para guiar futuros diagnósticos e pesquisas. Através dele, seria possível reunir um maior volume de dados que resultaria numa prevenção mais eficiente.
Os estudiosos delimitaram três grandes campos, a saber: categorias de risco; estimuladores cerebrais (“brain drivers”); e variações genéticas. Nas categorias de risco para o comprometimento cognitivo na velhice estão doenças coronarianas, obesidade, diabetes e hipertensão. Os estimuladores cerebrais englobam os mecanismos biológicos que interferem no cérebro, associados a alterações no organismo. Por fim, as variações genéticas podem proteger ou predispor a pessoa à doença – apesar da importância do estilo de vida, não podem ser ignoradas. O cruzamento dessas informações dá origem a um mapeamento personalizado, onde cada paciente terá à sua disposição mais ferramentas para envelhecer bem.

Vamos continuar seguindo as notícias e divulgado vídeos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *