Polícia investiga se incêndio em Alter do Chão, no Pará, foi criminoso



Hoje, a algum tempo foi divulgado no portal: HuffPost, do artigo “Polícia investiga se incêndio em Alter do Chão, no Pará, foi criminoso”

Conforme o que foi divulgado pelo portal HuffPost: Imagens da floresta em chama, à beira do rio Tapajós, foram reproduzidas nas redes sociais.

A Polícia Civil investiga a causa de um incêndio em área de proteção ambiental de Alter do Chão, destino turístico do Pará, iniciado neste sábado (14) e que se agravou neste domingo (15).

As chamas só foram controladas no início da noite de ontem, quase 24 horas após o início. Cerca de 50 homens incluindo brigadistas, comunitários, agentes da Secretaria de Meio Ambiente e militares do Exército e do Corpo de Bombeiros, participaram dos trabalhos para conter a destruição.

Um novo foco descoberto neste domingo era em uma ilha próxima a Ponta de Pedras, local de de mata fechada e difícil acesso. Por estar perto do rio, o vento atrapalhou o trabalho dos agentes, ao espalhar as chamas. No local não há sinal de telefone celular, o que também prejudicou a atuação.

O incêndio atingiu a vila balneária de Alter do Chão, chegando até a rodovia Everaldo Martins e afetou também a comunidade Ponta de Pedras.  

O governo do Pará solicitou ao Comando Militar do Norte deslocamento de aeronaves e reforço da Força Nacional.

Nesta segunda, o governador do estado, Helder Barbalho (MDB), anunciou um reforço se profissionais na região. Ele também disse que o ministro Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, prometeu acionar o Ministério da Defesa.

O incêndio atingiu a vila balneária de Alter do Chão, chegou até a rodovia Everaldo Martins e afetou também a comunidade Ponta de Pedras.

O episódio chegou comoção. Imagens da floresta em chamas, à beira do rio Tapajós, foram reproduzidas nas redes sociais.

Autor de uma das imagens, o médico Eugênio Scannavino, do projeto Saúde & Alegria, disse à Folha de S. Paulo que a ONG Brigada de Alter, em parceria com ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, promoveu curso de treinamento de brigadistas anti-incêndio para 15 voluntários na última semana.

A polícia investiga a causa do início do fogo, que teria sido ateado por uma pessoa da comunidade Ponta de Pedras. “Existe linha de investigação de que pessoas estariam devastando a área para comercializar lotes e ocupar de forma clandestina a reserva”, afirmou à Folha o prefeito da cidade, Nélio Aguiar (DEM). 

Ao G1, o tenente coronel Tarcísio, comandante do 3º BPM afirmou que um grupo integrado com representantes dos órgãos de segurança foi montado para iniciar as investigações para apurar as causas do incêndio.

Continuaremos a seguir as notícias e postando notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *