Queimada em reserva ambiental no interior de SP já destruiu área equivalente a 2 mil campos de futebol, afirma Cesp



alguns momentos ocorreu a publicação no portal: G1, do artigo “Queimada em reserva ambiental no interior de SP já destruiu área equivalente a 2 mil campos de futebol, afirma Cesp”

Conforme o que foi veiculado pelo link G1:
Fogo começou na noite de segunda-feira (26) e permanece consumindo vegetação até a tarde desta quinta-feira (29). Diversos animais foram encontrados carbonizados em Castilho (SP). Tatu foi encontrado carbonizado em Castilho
Reprodução/TV TEM
A queimada que atinge uma reserva ambiental, em Castilho (SP), destruiu uma área equivalente a dois mil campos de futebol, de acordo com a Companhia Energética de São Paulo (Cesp), concessionária responsável pela preservação da mata. Um avião-tanque com capacidade para armazenar dois mil litros de água auxilia no combate às chamas.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo começou na noite de segunda-feira (26) em uma plantação de cana-de-açúcar, se espalhou rapidamente e atingiu a área de reserva ambiental. Até a a tarde desta quinta-feira (29), brigadistas tentavam apagar os focos de incêndio.
Incêndio em Castilho já dura quase 3 dias
Durante toda a tarde de quarta-feira (28), brigadistas de usinas, bombeiros e policiais militares fizeram uma “força-tarefa” para extinguir o incêndio. Dois helicópteros Águia, da Polícia Militar dos municípios de Araçatuba e Presidente Prudente (SP), ajudaram na ocorrência.
A Polícia Militar também esteve no local percorrendo os trechos queimados da reserva, que tem cerca de 14 mil hectares. Animais de pequeno porte não conseguiram fugir do local e acabaram morrendo carbonizados.
Bombeiros e brigadistas combatem queimada em Castilho
Reprodução/TV TEM
Funcionários da Cesp, monitoram a área atingida para fazer um levantamento da quantidade de animais que já morreram.
Além disso, eles identificaram que a queimada começou com dois focos de incêndio, sendo um dentro e outro fora da área de preservação ambiental.
O local, que é conhecido como Reserva Particular do Patrimônio Natural Foz do Aguapeí, serve de refúgio para diversos tipos de animais silvestres. Por ter a vegetação e o clima semelhante ao do pantanal sul-mato-grossense, a região é conhecida como ‘pantaninho paulista’
Além da reserva, a queimada já atingiu fazendas e canaviais vizinhos. Bois e vacas foram flagrados pela equipe da TV TEM tentando se alimentar da vegetação atingida pelas chamas.
Segundo a bióloga, Valéria Stranghetti, a área consumida pelo fogo só irá se recuperar se passar por um reflorestamento total.
Queimada em reserva de Castilho destruiu área equivalente a 2 mil campos de futebol
“As árvores estão queimando por dentro. A morte de animais choca muito. Eles provavelmente foram encurralados e não conseguiram encontrar uma rota de fuga. É muito triste ver isso em uma área de transição tão importante para biodiversidade”, afirma a bióloga.
Já para o brigadista de incêndio de Castilho, Messias Donnega, para voltar a ter a quantidade de árvores, vegetação e animais que possuía antigamente, a área precisaria de 9 a 10 anos.
“O maior problema é que muitas árvores e plantas não conseguem se recuperar pelo fato de no ano seguinte ser registrado um novo incêndio de grandes proporções”, afirma o brigadista.
Em nota, a Cesp afirmou que bombeiros e brigadistas ainda continuam no local tentando apagar o incêndio. A companhia também disse que continua no local com brigadas próprias, inclusive com drones, para ajudar no combate às chamas.
Incêndio matou diversos animais em Castilho
Reprodução/TV TEM
Veja mais notícias da região em G1 Rio Preto e Araçatuba

Vamos continuar seguindo o canal e divulgado vídeos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *