UFJF divulga resultados das análises dos grupos de cotas do Pism



Minutos atrás foi postado na página G1 a notícia “UFJF divulga resultados das análises dos grupos de cotas do Pism”.

Confomre informação divulgada pelo G1: ” Análises foram feitas para evitar possíveis fraudes no sistema de cotas da instituição. Recursos podem ser feitos à partir desta sexta-feira (8). A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) divulgou nesta quinta-feira (7) o resultado das primeiras análises referentes aos candidatos de grupos de cotas do Programa de Ingresso Seletivo Misto (Pism) de 2019.
O objetivo é evitar possíveis fraudes no sistema de cotas, através de análises feitas pela banca de heteroidentificação étnico-racial da instituição. O resultado está disponível no site da UFJF.
De acordo com a Coordenadoria de Assuntos e Registros Acadêmicos (Cdara), os resultados são referentes às matrículas presenciais dos concorrentes as vagas reservadas aos candidatos com renda familiar bruta mensal per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo, a pretos, pardos e indígenas e a pessoas com deficiência, que compareceram à primeira matrícula presencial na chamada regular do Pism.
A chamada ocorreu entre os dias 29 de janeiro e 1º de fevereiro, nos campi de Juiz de Fora e Governador Valadares.
É a primeira vez que a UFJF realiza a iniciativa. As bancas foram compostas por técnico-administrativos, docentes e estudantes da pós-graduação com matrícula ativa na instituição. Os membros foram selecionados por meio de um edital regulatório para candidatos interessados em fazer parte da comissão.
O critério de aferição da veracidade da informação prestada por candidatos negros, que se declaram pretos ou pardos, foram os fenótipos (conjunto de características físicas do indivíduo). Já o critério de aferição dos candidatos autodeclarados indígenas foi a apresentação de uma cópia do Registro Administrativo de Nascimento de Indígena (Rani) ou uma declaração da comunidade indígena sobre a condição étnica do candidato, assinada por três representantes da comunidade.
De acordo com o diretor de Ações Afirmativas, Julvan Moreira de Oliveira, a criação da Comissão de Verificação de Autodeclarações Étnico-raciais tem o objetivo de garantir o cumprimento da Lei 12.711/2012, que fixou cotas para candidatos oriundos de escola pública e em proporção à população de pretos, pardos e indígenas da unidade da federação no qual se encontra a Instituição Federal de Ensino.
Os candidatos indeferidos poderão pedir recurso, entre os dias 8 e 13 de março, das 8h às 17h, na Central de Atendimento dos campi de Juiz de Fora e Governador Valadares. O recurso deve ser solicitado em formulário próprio, disponibilizado no site da Cdara, e protocolado presencialmente pelo candidato ou procurador. O resultado será divulgado no dia 8 de abril às 17h. “

Continuaremos seguindo as notícias relacionadas e a cada novidade atualizaremos o site.