“Salto Civilizatório”: Ministério da Justiça e Segurança Pública Lança Diretrizes para uso de Câmeras Corporais

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, anunciou a implementação de novas diretrizes para o uso de câmeras corporais por profissionais de segurança pública. A medida foi assinada nesta terça-feira (28), representando um avanço significativo na garantia dos direitos fundamentais.

Segundo Lewandowski, o projeto foi elaborado após minuciosos estudos, análises e consultas com especialistas. “Chegamos a um conjunto de normas abrangentes que servirão de referência para todas as corporações policiais do país”, afirmou.

O Sistema Único de Segurança Pública (Susp) concedeu ao MJSP a competência para estabelecer diretrizes para a segurança pública, incluindo o uso de câmeras corporais. O objetivo é proteger os agentes de segurança e garantir a transparência de suas ações.

As diretrizes determinam que os dispositivos serão obrigatoriamente utilizados por integrantes de diversas instituições, incluindo a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícias Militares e Civis, Corpos de Bombeiros, Guardas Municipais e outras organizações.

A gravação das câmeras será realizada de acordo com as regras definidas por cada órgão de segurança pública. O uso das câmeras é obrigatório em diversas situações, como atendimento de ocorrências, atividades ostensivas, identificação de pessoas e bens, ações operacionais e durante interações entre policiais e custodiados.

Além das câmeras corporais, o MJSP também anunciou o lançamento do projeto “Escuta Susp”, voltado à promoção da saúde mental dos profissionais de segurança pública. O programa fornecerá assistência psicológica especializada por meio de atendimento on-line.

O Ministro Lewandowski destacou a importância de reduzir o sofrimento psíquico dos agentes de segurança. “O Escuta Susp é um programa que busca reverter o quadro de suicídios entre policiais e fortalecer nossos agentes de segurança”, disse.

O programa terá um orçamento de R$ 6,4 milhões e prevê 65 mil atendimentos, cursos de suporte e materiais informativos. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) coordenará o projeto em parceria com universidades federais de outros estados.

As novas diretrizes para câmeras corporais e o projeto Escuta Susp representam um passo importante para a modernização e humanização da segurança pública no Brasil. Esses avanços contribuem para uma sociedade mais segura e justa, com respeito aos direitos fundamentais de todos os cidadãos.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Tag Cloud

Android app apple artesanal banco digital biodiversidade brasil celular ciência com cultura Câmeras decorações dia da mulher educação espelhamento de tela Etecs extinção filme flows fogo fones de ouvido futebol minas gerais MJSP mudanças climáticas música notícias novela pagamentos para rio grande do sul sala de estar saúde SUSP sustentabilidade são paulo tech tecnologia turismo UBS usp vacinação vintage whatsapp